Como funciona a previdência privada? Entenda já!

DESTAQUES POSTS Previdência Privada

Você sabe como funciona a previdência privada? Ela é uma opção que pode ser muito útil para o seu futuro. Com a aposentadoria, é comum que as condições da previdência social não atendam perfeitamente às suas necessidades. Portanto, contar com uma alternativa que ajude a manter o seu estilo de vida é algo muito vantajoso.

Neste post, elaboramos um pequeno guia sobre a previdência privada. Ao longo do texto, você entenderá o que ela é, quais as diferenças entre ela e a previdência social e como funciona essa opção. Esperamos que você tire todas as suas dúvidas e possa planejar, da melhor maneira possível, os anos que terá de descanso. Boa leitura!

O QUE É PREVIDÊNCIA PRIVADA?
A aposentadoria pública, ligada ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), não é a única existente. Existe outra, independente e complementar a ela: a previdência privada.
Uma vez que a previdência tradicional não garante um bom salário na aposentadoria, surge a necessidade de fazer algo para contar com uma renda extra no período em que nos afastamos do mercado de trabalho.

Portanto, apostar na previdência privada é uma forma de trazer mais tranquilidade e segurança para o futuro.

Ninguém quer trabalhar por muitos anos e, no momento de descanso, passar por dificuldades ou reduzir muito o padrão de vida, não é mesmo? Por isso, é necessário fazer algo a respeito.

Os planos de previdência privada são bastante diversificados e, com certeza, algum deles se adequará perfeitamente ao seu perfil. E pode ficar tranquilo, já que tudo é fiscalizado pelo Governo Federal por meio da Superintendência de Seguros Privados (Susep).

QUAL É A DIFERENÇA ENTRE PREVIDÊNCIA PRIVADA E PREVIDÊNCIA SOCIAL?
A seguir, separamos as principais diferenças entre os dois tipos de previdência, para que você entenda melhor as particularidades delas.

Previdência social
A previdência pública ou social — organizada pelo INSS — é aquela que beneficia todo trabalhador assalariado com a aposentadoria. Ao ter a carteira assinada, o profissional já faz parte, automaticamente, desse regime. Em casos de auxílio-doença, aposentadoria por tempo de contribuição, idade ou invalidez, é possível recorrer à instituição para receber o seu benefício.

Atualmente, dois fatores estão preocupando os brasileiros em relação a isso: os rombos nas contas do INSS, os quais podem oferecer riscos à aposentadoria, e a reforma previdenciária. Eles constituem mais um motivo para recorrer a alguma medida paralela.

Além disso, cabe ressaltar que o teto da previdência social é de R$ 5.579,06. Isso significa que, mesmo contribuindo com o valor máximo, o recebimento só vai até esse limite. E qual a principal consequência disso? A alteração no estilo de vida que você adquiriu ao longo dos anos de trabalho.

Previdência privada
Em relação à previdência privada, o contribuinte conta com total liberdade para definir o quanto investir e qual a periodicidade que deseja fazer esse investimento. Você pode, por exemplo, pagar R$ 10.000 por ano, de uma só vez. Em outro cenário, também pode pagar parcelas mensais de R$ 100. É claro que o valor de resgate estará ligado ao montante poupado.

Não existe uma idade mínima para começar a investir. Os pais, inclusive, podem criar uma previdência privada para os filhos. Para a época da faculdade, a ação pode fazer toda a diferença.

Caso o investidor desista do plano, é permitido que a previdência seja resgatada. Essa condição é muito atrativa, uma vez que não sabemos o que o futuro reserva para nós.

COMO FUNCIONA A PREVIDÊNCIA PRIVADA?
Os planos de previdência privada podem ser fechados, quando uma empresa os oferece apenas aos seus funcionários por meio de uma instituição, ou abertos, quando estão disponíveis para qualquer pessoa em uma corretora ou banco.

Como já dissemos, as condições são diversas. O contratante pode comprar uma renda para a aposentadoria — pagando por determinado número de anos — ou sacar, gradualmente, o valor investido. Lembramos que o foco dessa opção é sempre poupar recursos em longo prazo.

O valor das mensalidades é definido com base no cálculo de quanto é preciso poupar para alcançar a renda desejada por um número de anos na aposentadoria. Para isso, as seguradoras lançam mão da expectativa de vida dos brasileiros divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE), por meio de uma ferramenta chamada tábua atuarial e a projeção de taxas de juros para os próximos anos.

Após estabelecer o valor da mensalidade ou do pagamento anual, é possível definir que ele seja debitado automaticamente em sua conta ou que um boleto seja gerado para você.

TIPOS DE PREVIDÊNCIA PRIVADA
Existem dois tipos de fundos de previdência:

Plano Gerador de Benefício Definido (PGBL). Aqui, as aplicações são abatidas na declaração completa do imposto de renda. Ele é indicado para pessoas que têm remuneração mais alta;

• Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL). Nessa modalidade, as aplicações não são abatidas e, portanto, são ideais para autônomos ou pessoas que fazem declarações simples de imposto de renda. Ao contrário do PGBL, quando o dinheiro é sacado, é preciso pagar uma taxa sobre os juros que o investimento rendeu.

TAXAS DE OPERAÇÃO
No momento de resgate da aplicação na previdência privada, duas tabelas podem ser usadas para fixar as taxas da operação: progressiva e regressiva.

A tabela progressiva representa a melhor alternativa para quem quer sacar o dinheiro investido em parcelas. Valores até R$ 1.903,98 são isentos do imposto de renda. Em contrapartida, quantias superiores a R$ 4.664,68 são taxadas com a alíquota de 27,5%.
A tabela regressiva é recomendada para os que desejam, realmente, fazer o investimento em longo prazo.

Dessa forma, quanto mais tempo o dinheiro ficar investido, menor será a taxa sobre ele (alíquota do imposto de renda). Em caso de saques em um período de até dois anos, a alíquota será de 35%. Esse número diminui 5% a cada biênio, até chegar a 10%.

Para fazer a contratação de um plano de previdência privada, leve em consideração todas as informações que apresentamos neste post. Escolha uma instituição séria e consolidada no mercado. Opte por um plano que esteja alinhado ao seu perfil, de modo que não comprometa os seus gastos mensais.

Também fique de olho em todas as condições oferecidas, como será a forma de resgatar a aplicação, quais as taxas cobradas e os tipos de fundo que você pode investir.

Entendeu como funciona a previdência privada? Ficou interessado? Oferecemos os melhores planos para as suas necessidades. Entre em contato conosco e conheça as condições.